Qual o futuro do mercado jurídico brasileiro?

Qual o futuro do mercado jurídico brasileiro.
10 minutos para ler

De forma resumida, o futuro do mercado jurídico brasileiro envolve:
• Inovação;
• Tecnologia;
• Maior dedicação e foco no cliente (e não só no processo);
• Mudança estrutural na forma de encarar a profissão: advocacia 4.0.

Essa conclusão vem de uma análise completa sobre as perspectivas para o mercado jurídico brasileiro em 2020 e nos anos seguintes. 

Se você quer se preparar para ficar dentro das tendências do mercado de trabalho jurídico, continue lendo para entender melhor cada aspecto no qual você deve investir. E, se quiser ir além, confira esse Manual Completo do Advogado do Futuro.

O que você encontrará neste artigo:

  • Panorama geral do mercado jurídico brasileiro
  • Dados impressionantes sobre o mercado
  • As áreas do direito em mudança
  • Tendências atuais do mercado jurídico [2020]
  • Tendências para os próximos anos
  • Como ser um bom advogado nesse mercado de trabalho

Todos os tópicos serão explicados de forma completa, então continue lendo.

Panorama Geral do Mercado Jurídico Brasileiro

mercado jurídico

O mercado jurídico está cada vez mais competitivo e saturado, principalmente nas áreas tradicionais do direito.

Além da competitividade profissional, os clientes estão mais informados e exigentes e por isso, o modo de advogar, captar clientes e gerenciar um escritório requerem uma mudança de postura.

Da mesma forma, algumas inovações como o uso da inteligência artificial e das lawtechs impactaram diretamente a advocacia.

Nesse artigo, compartilhamos um estudo completo sobre o mercado jurídico brasileiro e quais os desafios e oportunidades que se vislumbram no futuro.

Fique até o final e compreenda com profundidade o cenário e descubra como as novas tecnologias estão contribuindo com essa nova identidade mercodológica.

Números e dados impressionantes sobre o mercado

O número de advogados no Brasil realmente impressiona, existe hoje um advogado para cada 190 habitantes. Ou seja, são mais de 1,165 milhão de profissionais cadastrados na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para uma população estimada em 210 milhões de habitantes pelo IBGE. Isso sem contar os estagiários (26,6 mil) e os suplementares (48 mil).

Ainda segundo a OAB, o Brasil é o terceiro país do mundo com mais advogados em números absolutos e com maior densidade de advogados em relação à sua população.

A quantidade de advogados que se formam no Brasil é proporcional ao número de cursos de Direito ofertados.

Quanto aos cursos ofertados, de acordo com o portal E-mec, existem 1.749 cursos de Direito em atividade no país, que ofertam mais de 300 mil vagas por ano.

Atualmente, no mundo todo, existem cerca de 1200 faculdades de Direito. Isso significa que se somarmos todas as faculdades de Direito do mundo, não chegamos ao número de faculdades existentes somente no Brasil.

Além disso, existem mais de 80 milhões de processos abertos no país, sendo que algumas empresas recebem até 20 mil novas ações mensais. Isso faz com que o país seja um dos mercados mais atrativos para as lawtechs.

A busca por soluções inovadoras para o mercado jurídico é evidente

Uma recente pesquisa da Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs apontou que 95% dos escritórios de advocacia estão abertos a inovações que solucionem seus problemas e 62% já procuram serviços customizados de tecnologia.

Ainda segundo a Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs em seu estudo Radar, existem registradas mais de 130 startups ligadas ao Direito e tecnologia. Essa variedade facilita a rotina dos escritórios jurídicos e de advogados, aumentando consideravelmente a produtividade.

Isso demonstra o alto grau de competitividade e evidencia a busca em utilizar ferramentas tecnológicas para se adequar e acompanhar as mudanças que se fazem presentes.

Quais as áreas que mais estão mudando no direito?

mercado jurídico

Nesse cenário competitivo e volátil, todas as áreas estão mudando.

Mas, destacamos algumas dessas áreas em que consideramos que as mudanças são mais notórias:

  • Direito Trabalhista: Com a uberização, a Reforma Trabalhista e o novo Governo do Estado.
  • Direito Previdenciário: Com a Reforma da Previdência e o envelhecimento da população.
  • Direito Tributário: Com a Reforma Tributária.
  • Proteção de Dados e Direito Digital: Com a LGPD, o uso de contratos eletrônicos e os novos problemas jurídicos que surgem com a internet.
  • Direito Imobiliário: Com a possibilidade de usucapião extrajudicial e a quantidade de imóveis irregulares no país, surgem novas possibilidades de atuação para os advogados.

Áreas do Direito em Crescimento e em Foco

Além dessas áreas, destacamos que o Compliance deve crescer cada vez mais nos próximos anos e também a utilização dos métodos adequados de solução de conflitos, como a Mediação e a Arbitragem.

Outro profissional em alta é aquele que possa administrar e gerir o departamento jurídico de uma empresa. Departamentos jurídicos são cada vez mais essenciais para o crescimento orgânico e com bom custo-benefício de empresas, o que aumenta o valor do advogado que possa atuar como gerente ou administrador jurídico.

Quais as tendências atuais do mercado jurídico? [2020]

A tendência é que advogados que se adaptem à advocacia 4.0 saiam na frente tanto em oportunidades quanto em benefícios financeiros. Um investimento pontual no desenvolvimento de conhecimentos digitais e tecnológicos é essencial ao advogado que quer concorrer à frente do mercado.

O curso online da Freelaw conta com uma aula sobre tecnologia e inovação para advogados, confira:

Isso significa que, antes de mergulhar em várias técnicas e práticas, o advogado deve possuir as informações acerca das tecnologias e da inovação. Além disso, habilidades de gestão que otimizem e melhorem o trabalho diário e a longo prazo são importantes. 

A tecnologia ajuda na automatização do trabalho, na gestão e administração de prazos e documentos, e o advogado deve possuir o conhecimento suficiente para usufruir dela de forma completa.

Também é importante desenvolver e estimular a criatividade e o pensamento fora da caixa. Isso ajudará na próxima medida relevante: mudar a forma como se encara a hierarquia no escritório para envolver toda a equipe – do advogado sênior ao estagiário – na cultura organizacional do escritório.

Você não precisa se preocupar: parece muita coisa, mas na verdade, uma mudança puxa a outra. Ao se informar sobre inovação e tecnologia, você certamente adquirirá conhecimentos sobre gestão. 

Aplicando os conhecimentos, é certo que sua criatividade será estimulada e em pouco tempo todo o seu escritório estará envolvido na cultura da inovação. O desafio é persistir.

Quais as tendências para o mercado jurídico nos próximos anos?

Imagem com as tendências para o mercado jurídico.

As tendências atuais também se aplicam aos próximos anos. Separamos, além delas, algumas características e requisitos do empreendedorismo e da advocacia 4.0 que só tendem a crescer com o passar do tempo

O cliente no centro da experiência

Os avanços tecnológicos vêm possibilitando a interação e a experiência dos consumidores de forma cada vez mais simples e agradável. Entretanto, estes clientes estão cada vez mais exigentes quanto ao que consomem.

Segundo o relatório LegalTech Trends 2019, as expectativas sobre os serviços jurídicos estão mudando, sobretudo quanto aos meios de pagamento e a possibilidade de resolver pendências por meio de portais eletrônicos.

Ou seja, é importante desenvolver formas de garantir o sucesso do cliente (o customer success pode ser uma boa metodologia).

Advocacia à distância

Cresce também a tendência em solucionar questões jurídicas à distância. Nesse caso, a tecnologia permite aos advogados gerenciar seus casos remotamente, com apps para celulares, computação em nuvem e criptografia, fazendo surgir novas dinâmicas de trabalho.

De acordo com o LegalTech Trends 2019, clientes que tiveram experiências jurídicas nos últimos anos, estão abertos à interação remota e até ao uso de robôs na mediação dos problemas. Entre essas pessoas, 31% disseram não se importar em conhecer seu advogado pessoalmente e 24% delas concordam que robôs são úteis no aconselhamento jurídico.

Além disso, novas carreiras jurídicas estão surgindo, como o freelancer jurídico. E isso permite que escritórios de advocacia contratem advogados online para elaboração de petições sob demanda.

O uso da tecnologia para criar soluções no mercado jurídico

Da mesma forma, o advogado pode utilizar o conhecimento em direito para criar soluções para problemas no mercado jurídico, desenvolvendo alguma dessas lawtechs.

Segundo a AB2L – Associação Brasileira de Lawtechs & LegalTechs, as lawtechs estão divididas em 12 principais categorias para os mais diversos problemas jurídicos.

É o caso da Freelaw, que foi fundada por dois advogados que identificaram uma dor e uma oportunidade no mercado. A empresa promove parcerias jurídicas online e sob demanda para elaboração de petições, contratos e consultas.

Inteligência artificial

Essa mudança de paradigma em torno das expectativas dos clientes sobre os serviços jurídicos também revela um papel fundamental para a inteligência artificial na advocacia. Com robôs cada vez mais capazes de compreender comandos e prever cenários, a tendência é a de que essa tecnologia se torne cada vez mais central no desenvolvimento de soluções. Ou seja, um campo fértil de oportunidades para uma lawtech ou legaltech.

Um exemplo é o Tribunal de Justiça de Minas Gerais que desenvolveu uma solução de tecnologia batizada de Radar, capaz de ler processos e identificar se o processo se repete na Justiça e o entendimento a ser aplicado.

Cabeça na nuvem e smartphone no bolso

O tempo das papeladas e carrinho para carregar os processos estão com os dias contados. O momento é o de armazenar documentos em nuvem e acessá-los onde quer que esteja. Momento favorecido pela constante implementação de recursos nos smartphones e nos serviços de internet.

Cibersegurança

O crescimento do acesso à computação em nuvem também cresce a necessidade em adotar plataformas de cibersegurança atualizadas e preparadas para o combate ao roubo de dados. A tendência são investimentos pesados nessa área com tecnologias de blockchain e contratos inteligentes.

Como ser um bom advogado nesse novo mercado jurídico?

Imagem com frase.

O crescimento no número de empresas tecnológicas que fornecem serviços para o mercado jurídico mostra a força que a tecnologia ganha na área. 

Conclui-se disso tudo que o advogado que busca sucesso a longo prazo no mercado deve começar a encarar o próprio escritório como uma empresa, investindo em conhecimentos e técnicas de gestão. Se você não busca formar um escritório ou atuar em um, considere as diferentes formas de exercer a advocacia – talvez uma delas seja perfeita para você!

Deve, ainda, estar disposto a ingressar no mundo do direito digital, e a mudar a forma como vê a profissão: não há mais que se falar no processo como o centro, mas sim no cliente. 

Por fim, é recomendado que o advogado invista em habilidades além do direito, em soft skills que vão ajudar, a longo prazo, a vencer os desafios trazidos pelo futuro.

Você já é um Advogado 4.0? Conte para nós em quais habilidades e conhecimentos você investiu, e quais considera as mais importantes. 

E, se quiser, confira abaixo o episódio 18 do podcast Lawyer to Lawyer, com Marcilio Guedes Drummond, ‘Head de Inovação na Advocacia’.

Gostou do conteúdo? Compartilhe com outras pessoas que possam se beneficiar com a leitura! 

Deixe suas dúvidas e considerações nos comentários – ou entre em contato conosco! 

Você também pode gostar

Deixe um comentário