Lawtech e Legaltech: O Guia Definitivo!

Lawtech e Legaltech: foto com texto.
10 minutos para ler

Lawtech, Legaltech, tecnologia, inovação e direito são palavras que, por muito tempo, não combinavam entre si.

Mas, nos últimos anos, a situação começou a mudar.

Com a crise econômica, a concorrência e o nível de exigência dos clientes, o uso da tecnologia e da inovação se tornou uma necessidade para os advogados de sucesso.

Nesse contexto, as Startups jurídicas são a “bola da vez” e se tornaram grandes aliadas dos advogados.

Ainda desconhecidas por muitos, as Lawtechs e as Legaltechs estão revolucionando o mercado jurídico.

O que exatamente são as Lawtech e as Legaltechs? Quais as categorias existentes?

Como é o mercado no Brasil e no exterior? Como essas tecnologias podem te ajudar a melhorar sua rotina como advogado?

Leia este post até o fim para entender tudo sobre o tema!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

O que significa Lawtech e Legaltech?

Não existe uma diferença conceitual entre Lawtech e Legaltech. Ambas as palavras são utilizadas como sinônimos

E, como você deve imaginar, o prefixo “Law/Legal” remete a direito/jurídico.

Já o sufixo “Tech” representa a abreviatura de “Technology”, ou seja, tecnologia.

Portanto, as Lawtechs ou Legaltechs são empresas, em sua maioria startups, de base tecnológica, que desenvolvem soluções para otimizar o trabalho no setor jurídico, público ou privado.

Quais as categorias de Lawtech ou Legaltech existentes?

Segundo a AB2L – Associação Brasileira de Lawtechs & LegalTechs, as legal/lawtechs são dividas em 12 principais categorias.

Automação e Gestão de Documentos

São softwares de automação de documentos jurídicos e gestão de contratos e processos.

Portanto, essas ferramentas possuem como principal objetivo reduzir o tempo gasto pelos advogados com preenchimento e revisão de documentos.

Um exemplo de solução nessa categoria é a Netlex.

Gestão de escritórios e de departamentos jurídicos

Estes softwares são voltados para organização e armazenamento de dados dos processos (informações, documentos, prazos, etc.).

Assim, essas Legaltechs/Lawtechs tem como objetivo melhorar gestão de equipes jurídicas e de clientes.

Além disso, essas ferramentas permitem um aumento da produtividade dos escritórios e departamentos jurídicos.

Como exemplo, temos a Preâmbulo.

Analytics e Jurimetria

Essas soluções são voltadas para a coleta e para a análise de dados jurídicos.

Diante disso, podem auxiliar os advogados, por exemplo, a entenderem como um caso é julgado em determinado Tribunal, de acordo com dados extraídos da jurisprudência.

Uma das soluções na área é a Digesto.

Resolução de conflitos online

Soluções dessa categoria visam possibilitar que as partes sejam protagonistas da resolução do seu próprio conflito.

Por meio de utilização de softwares, é possível conciliar e mediar conflitos, bem como fechar acordos.

Esses acordos, na maior parte das vezes, são mais satisfatórios às partes do que as sentenças judiciais.

Vale citar como exemplo a D’acordo.

Conteúdo, educação e consultoria

São portais de informações, notícias, legislação e também as consultorias.

Como exemplo nessa categoria, temos a Future Law, que produz conteúdo para advogados e promove atividades, como cursos voltados para inovação.

Extração e monitoramento de dados públicos

São ferramentas de monitoramento e gestão de informações públicas, como andamentos processuais, legislações, publicações e documentos cartorários.

Como exemplo, temos a UpLexis.

Redes de profissionais

Essas soluções são aquelas que promovem a conexão entre profissionais do Direito com os clientes e facilitam a prospecção, como por exemplo, a JusBrasil.  

Ou, então, são aquelas que permitem a conexão de profissionais do Direito, entre si, para execução de serviços jurídicos.

Uns dos exemplos mais corriqueiros são as Lawtechs/Legaltechs que atuam no mercado de “correspondentes jurídicos” e promovem a conexão de profissionais, por meio de georreferenciamento.

Um dos exemplos é a Juris Correspondente.

A Freelaw também se encaixa nessa categoria!

A Freelaw oferece uma solução de conexão de escritórios de advocacia a advogados especializados para execução de serviços sob demanda, levando em consideração as qualificações e experiências do profissional.

Na prática, você consegue contratar advogados home office, sob demanda, ou então, ser contratado sob demanda.

O profissional atua como um freelancer jurídico e realiza o ato jurídico solicitado (exemplo: petições, recursos, consultas, contratos).

O sistema da Freelaw auxilia na gestão da execução da demanda, garantindo que o Contratante do serviço possa ter o direito de pedir revisões, modificações e consiga cumprir seus prazos processuais com excelência.

Se quiser saber mais sobre a Freelaw, leia o nosso Artigo com dicas práticas para você aproveitar melhor a experiência na plataforma!

Taxtech

São as soluções tecnológicas que visam facilitar a resolução das questões tributárias das empresas, como a Taxcel.

Compliance

São as soluções inseridas nos processos de compliance das empresas, para garantir mais agilidade e precisão nas tarefas.

Como exemplo dessa categoria de lawtech/legaltech temos a Ventura.

Faça você mesmo

São as soluções que permitem aos usuários, muitas vezes leigos, elaborar e gerenciar seus próprios documentos.

Banner - Lawtech e Legaltech

Como exemplo, é válido citar a JURIDOC.

IA – Setor Público

São as soluções de inteligência artificial para o setor público, como por exemplo a Legal Labs.

Regtech

São soluções tecnológicas para resolver problemas gerados pelas exigências de regulamentação, como a Legalbot.

No mapa das Lawtechs/Legaltechs brasileiras, da AB2L, é possível ter uma visão geral de alguma das soluções em cada categoria.

Lawtech e Legaltech no exterior

Sabe-se que o Brasil possui mais faculdades de direito do que todo o restante dos países do mundo.

Contudo, o mercado das Lawtechs/Legaltechs no exterior ainda é mais desenvolvido do que o brasileiro.

Isso, apesar do conservadorismo do mercado jurídico ser um ponto em comum entre o Brasil e o exterior.

Segundo pesquisa realizada pela Thomson Reuters, entre 2012 a 2016, houve um aumento de 484% no número de patentes de novas tecnologias jurídicas registradas.

Especialmente, nos Estados Unidos, na China e na Coreia do Sul.  

Nesse contexto, a CodeX da Universidade de  Stanford, nos Estados Unidos, afirmou que já existem mais de 1129 startups jurídicas.

Outro exemplo, é que, nos Estados Unidos, é um dever ético dos advogados possuir “competência tecnológica” e estar atentos aos benefícios e riscos das soluções tecnológicas.

De certo modo, tais fatores demonstram uma maior maturidade e desenvolvimento do mercado das Lawtechs/Legaltechs, no exterior, especialmente nos Estados Unidos.

Mas, inegavelmente, as soluções tecnológicas voltadas para determinadas profissões também são uma tendência cada vez maior no Brasil…

Lawtech e Legaltech no Brasil

Como apontado pela AB2L, o Brasil já conta com mais de 100 soluções tecnológicas distintas.

Número que aumentou significativamente nos últimos 10 anos…

Ressalta-se que o movimento da tecnologia no mercado jurídico foi notado pela OAB, que já possui, hoje, em vários estados brasileiros, comissões voltadas para Startups e para Inovação jurídica.

Assim, é inegável que o mercado jurídico vem percebendo, cada vez mais, que precisa se adaptar às mudanças.

Afinal, atualmente, os clientes optam, muitas vezes, por reuniões e contatos via Skype ou Whatsapp.

E os advogados mostram a necessidade de rotinas com mais flexibilidade, com possibilidades de trabalhar em home office.

Como encontrar a Lawtech e Legaltech certa para o seu caso?

A essa altura, você já deve ter percebido como as Lawtechs podem te ajudar.

De forma geral, são inúmeros os ganhos em competitividade, com: a redução de custos, o aumento da eficiência, a otimização de processos e organização.

Contudo, antes de entender qual Lawtech/Legaltech pode gerar mais ganhos, é necessário entender os problemas específicos da sua equipe jurídica.

Ou seja, entender, de fato, onde se encontram os gargalos do escritório.

Se o problema é a falta de pessoal para algumas tarefas, as Lawtechs/Legaltechs de redes de profissionais podem te auxiliar.

Por outro lado, se o problema maior é a perda de tempo com a elaboração de documentos, as ferramentas de automação e gestão de documentos podem ser as mais adequadas.

Enfim, já são várias as soluções no mercado jurídico, nos setores mais diversos.

Portanto, basta você querer se inserir nesse novo contexto e buscar desenvolver novas habilidades. Pode ser interessante, também, que você estude novas tendências, como o Legal Design, se aprofunde no empreendedorismo jurídico e domine o Legal Growth Hacking.

Lawtechs e Legal Techs para Pequenos Escritórios

Mas, mesmo para os que querem inovar há alguns entraves…

Um problema enfrentado pelas pequenas empresas e pequenos escritórios é o fato de que a maioria das Lawtechs/Legaltechs do Brasil é voltada para o atendimento de grandes bancas.

Por isso, as empresas e escritórios menores não possuem orçamento disponível para investir nessas soluções tecnológicas…

Contudo, algumas das tecnologias são mais “democratizadas” entre empresas e escritórios.

Como exemplo, há as  redes de profissionais, como as plataformas de correspondentes e a própria Freelaw.

Além disso, há a Legaltech Lexio, que criou uma solução de gestão e de automação de documentos especialmente para pequenas empresas e escritórios.

Vale destacar que também existem diversos aplicativos e ferramentas gratuitas para advogados.

Contudo, a maior parte das soluções, especialmente os softwares, continua inacessível para muitos dessas empresas e pequenos escritórios.

Presente x Futuro das Lawtechs e Legal Techs

Diante do exposto, percebe-se que ainda são, relativamente, poucas as Lawtechs existentes no Brasil – se comparado ao tamanho do mercado!

Além disso, ainda são poucos os advogados que efetivamente utilizam essas ferramentas!

Não obstante o crescimento considerável do número de lawtechs/legaltechs, a maior parte delas é focada para grandes empresas e escritórios.

Além do mais, ainda faltam soluções tecnológicas para resolver muitos dos problemas corriqueiros dos advogados.

Contudo, não há dúvidas de que, com o avanço da tecnologia, haverá grandes mudanças no cenário jurídico.

Como disse Henry Ford, se ele tivesse perguntado às pessoas o que elas queriam, elas teriam pedido cavalos mais rápidos.

Por isso, a evolução do e as mudanças do mercado exigem que as pessoas enxerguem a advocacia sob um novo ponto de vista…

Assim, as equipes jurídicas dispostas a enxergar o novo estarão cada vez mais competitivas e preparadas para o futuro.

A dica é se atualizar sobre essa nova realidade e desenvolver novas habilidades para se preparar. 

Para isso, nós escrevemos um artigo sobre as novas habilidades que o advogado precisa desenvolver e sobre o Futuro da Advocacia.

Caso queira se aprofundar no tema, leia nosso conteúdo!

Você também pode gostar