Advocacia 4.0: O Futuro da Advocacia já começou

Advocacia 4.0 e o Futuro da Advocacia. Foto de um globo, com energias e conexões.
7 minutos para ler

Os termos “Advocacia 4.0” e “Futuro da Advocacia” ainda não eram utilizados nas décadas de 70, 80 e 90. Mas foi nesse período que os advogados começaram a ter contato com a tecnologia.

“O que vale mais a pena: utilizar um computador ou uma máquina de escrever?”

Essa resposta pode ser fácil, hoje. Mas, por muito tempo, milhares de advogados persistiram em utilizar a máquina de escrever.

Na verdade, até hoje, provavelmente, alguns advogados ainda preferem utilizar a máquina de escrever.

Prova disso é uma notícia publicada em 2010 no Estadão, em que um advogado afirma que prefere redigir suas petições com a máquina de escrever do que com um computador.

O que exatamente é a “Advocacia 4.0”? Qual o futuro da advocacia? Quais os prós e os contras do uso da tecnologia no direito?

O advogado será substituído pela tecnologia? Quais as habilidades que o advogado do futuro precisa desenvolver?

Responderemos todas essas perguntas ao longo desse texto. Se você quiser entender melhor o conceito e a importância da Advocacia 4.0 e se tornar um advogado 4.0, fique conosco até o final!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

O que é a Advocacia 4.0?

A “Advocacia 4.0” é uma forma de exercer a profissão com o apoio dos recursos tecnológicos existentes para executar serviços jurídicos com mais qualidade, menos custos e em menos tempo.

Trata-se, portanto, do reflexo que a Quarta Revolução Industrial, causa na vida do advogado.

Quais as oportunidades existem para o Advogado 4.0?

Na prática, dentre outros benefícios e possibilidades, um advogado que se adaptar à Advocacia 4.0 pode:

  1. Automatizar tarefas que antes eram executadas manualmente
  2. Se conectar com outros advogados e com clientes por meio da internet
  3. Analisar dados para tomar melhores decisões, diminuir custos e definir estratégias processuais
  4. Utilizar mecanismos para resolver conflitos online
  5. Prestar serviços jurídicos e precificar os honorários de forma inovadora
  6. Melhorar a gestão interna de um escritório de advocacia ou departamento jurídico
  7. Extrair e monitorar dados públicos

Para aproveitar os benefícios da Indústria 4.0, os advogados podem buscar Lawtechs e Legaltechs, que trazem um grande diferencial competitivo para um escritório de advocacia ou departamento jurídico de uma empresa.

Por outro lado, o uso das tecnologias, por si só, não trará mudanças profundas para um advogado. Afinal, várias das possibilidades existentes dependem de inovação e de criatividade.

A grande oportunidade não é a de somente automatizar tarefas, mas sim de reinventar a prática da advocacia e criar formas de prestação de serviços que não eram possíveis antes.

Por isso, é essencial que a busca pela tecnologia seja atrelada a uma mudança de cultura da organização. Esse talvez seja o maior desafio para grande parte dos advogados, que fazem parte do tradicional e conservador meio jurídico.

Desafio de um lado, oportunidade de outro.

Com o avanço da tecnologia, e das comodidades trazidas por tal avanço, é possível e recomendado aos escritórios jurídicos que se adaptem à Advocacia 4.0

Nesse cenário, os advogados que fizerem uso das tecnologias poderão desfrutar de um grande diferencial competitivo frente aos colegas resistentes à mudança. 

Quais os problemas da Advocacia 4.0?

É cada vez mais comum que advogados, juízes e outros operadores do direito, cometam erros graves utilizando o “Ctrl+c” e o “Ctrl+v”.

A ferramenta para copiar e colar textos pode ser considerada um exemplo negativo do impacto da tecnologia na qualidade de serviços jurídicos.

Outro caso frequente ocorre quando advogados fazem uso de modelos de petição ou documentos de forma equivocada.

Talvez, por isso, alguns advogados optam por não utilizar modelos em sua atuação profissional.

Esses profissionais sentem mais segurança ao realizar um serviço jurídico mais “artesanal”.

E, de fato, em muitos casos é realmente mais seguro. Afinal, o uso indevido de modelos e das tecnologias, pode sim prejudicar a qualidade dos serviços.

O que fazer diante desse cenário? Como usufruir dos benefícios da Advocacia 4.0 sem correr o risco de cair nas armadilhas e perigos da tecnologia?

O mercado dá essa resposta, diariamente, para os advogados.

Erros não são mais tolerados. Altos custos e ineficiência, também não.

O que o mercado espera do advogado 4.0?

O mercado espera que o advogado faça “mais-por-menos”.

Isso significa que o mercado espera que os advogados entreguem serviços melhores, mais técnicos, com atendimento personalizado ao cliente e com menos custos.

Alguns advogados irão ironizar a situação e alegar que isso é impossível, porque para diminuir os custos seria preciso entregar serviços menos técnicos.

O advogado do futuro, não.

O advogado do futuro considera que a visão de que o trabalho jurídico deve ser feito sempre sob medida, de forma artesanal, é romântica e fictícia.

Richard Susskind, na bíblia para o advogado do futuro, “Tomorrow’s Lawyers”, trata da Advocacia 4.0 e do advogado do futuro como ninguém.

Em seu livro, o Professor Richard afirma:

Eu aceito que algumas questões jurídicas exigem a aplicação de mentes jurídicas agudas e a criação de soluções sob medida. Mas acredito que muito menos trabalho jurídico requer tratamento sob medida do que os advogados fazem os seus clientes acreditarem.” (tradução nossa).

Isso significa que vários advogados são ineficientes, porque desperdiçam tempo em atividades que poderiam ser automatizadas ou executadas de outras formas.

E quem paga a conta final pelos altos custos é o cliente.

E a verdade é que clientes não tem nenhum interesse em pagar advogados para “reinventar a roda” em todos os seus casos. Os clientes esperam que os advogados sejam eficientes e que já utilizem todo o seu conhecimento e experiência de forma estratégica.

Esperar que um advogado realize um serviço artesanal todas as vezes, é como esperar que a cada carro que a Ford fabrica, ela o faça de forma diferente.

Não faz nenhum sentido.

O advogado que não quiser substituído precisa mudar a forma de executar serviços.

O advogado será substituído pela máquina?

O advogado que executa funções repetitivas não terá espaço no mercado e será substituído, em breve, por algoritmos inteligentes.

Por outro lado, o advogado que atua de forma estratégica e sabe quais os serviços ele deve automatizar e quais parcerias vezes fazer não será substituído.

O Advogado 4.0, entretanto, para sobreviver terá que se adaptar à Advocacia 4.0 e à tecnologia e desenvolver novas habilidades.

Quais as habilidades do advogado 4.0?

O Advogado 4.0 precisa desenvolver os “T-Shaped Skills“. Isso significa que ele deve buscar se especializar em uma área específica, mas também desenvolver conhecimentos em várias outras áreas, de forma complementar.

Na prática, o Advogado do futuro não deve apenas saber sobre Direito Societário ou Contratos.

Para exercer a Advocacia 4.0, ele deve desenvolver habilidades em áreas como Growth Hacking, análise de dados, Inbound Marketing, métodos de Gestão Ágil, Customer Success, Soft Skills e Gestão de Conflitos.

Dessa forma, o advogado saberá tomar melhores decisões, definir as melhores estratégias para seus clientes e melhorar a produtividade de sua equipe jurídica.

Com o desenvolvimento de métodos ágeis de gestão, a cultura dos escritórios de advocacia e departamentos jurídicos se tornará cada vez mais inovadora. 

Esses advogados, se questionam:

“Como podemos entregar serviços melhores com menos custos e menos tempo para nossos clientes?”

E eles seguem exemplos, como o da Netflix, e inovam e fazem diferente no direito.

O futuro ainda não está definido. Quem o definirá serão os advogados que trabalharão diariamente para criá-lo. Fazer parte da Advocacia 4.0 é o novo desafio que os escritórios jurídicos devem enfrentar agora para garantir um futuro de sucesso.

O que você está fazendo para criar o futuro? Queremos escutar a opinião de advogados inovadores como você.

Nosso post acaba por aqui, mas te aguardamos para continuar a discussão nos comentários. 

Você também pode gostar