Direito livre: um movimento de tecnologia e inovação

Direito Livre: Foto de passaros no ceu
7 minutos para ler

O “Direito livre” é um movimento que tem transformado a forma que os advogados trabalham e gerenciam os seus escritórios de advocacia.

Esse movimento surgiu após o surgimento de novas tecnologias, que têm proporcionado novas formas para exercer o direito.

Tudo começou há algumas décadas, com a máquina de escrever… Depois de algum tempo, surgiram os processos e peticionamentos eletrônicos, intimações via Whatsapp e vários softwares e aplicativos.

Entender como isso funciona e se alinhar a essa nova forma de atuar pode diminuir a sobrecarga de trabalho do seu escritório, aumentar a sua eficiência e o seu diferencial competitivo.

Mas como fazer diferente em um mercado conservador e burocrático? Como inovar sem ferir o código de ética da OAB?

Neste texto, demonstraremos como o uso de novas ferramentas tem desburocratizado o mercado jurídico e permitido o sucesso de pequenos escritórios e advogados.

Fique até o final e descubra ferramentas que você pode utilizar para otimizar a execução de serviços jurídicos do seu escritório!

Faça o download deste post inserindo seu e-mail abaixo

Não se preocupe, não fazemos spam.

Conservadorismo do Mercado jurídico

O mercado jurídico é um dos mais conservadores do mundo. Por isso, até hoje os advogados precisam de usar beca para falar em tribunais e os eventos jurídicos são marcados por diversas solenidades.

Além da própria formalidade do mercado, existem também limitações trazidas pelo Código de Ética da OAB que inibem iniciativas de inovação no Direito.

É o caso, por exemplo, da vedação da mercantilização da profissão e da publicidade.

Criticadas por alguns e elogiadas por outros, fato é que essas disposições estão em vigor e os advogados que desejam criar um direito mais livre e flexível precisam fazer isso em conformidade com a legislação vigente.

É possível desenvolver estratégias inovadoras nesse mercado tão conservador?

Com certeza.

Trata-se, sem dúvidas, de um mercado bastante tradicional.

Contudo, esse setor não está blindado das transformações que estão revolucionando outros mercados igualmente conservadores, como o caso das Fintechs no mercado financeiro.

A verdade é que o excesso de burocracia e a alta complexidade do mercado jurídico fazem do direito um terreno fértil para o avanço de inovações.

O surgimento de novos processos, o uso de tecnologias para otimizar tarefas e até novas formas de cobrança são mudanças já perceptíveis na rotina dos escritórios jurídicos.

Competitividade do mercado

O Brasil é um dos países com o maior número de advogados no mundo.

Segundo a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o país tem mais de 1 milhão de profissionais inscritos na ordem!

Segundo a Revista Visão Jurídica, o mercado jurídico cresceu significativamente nos últimos anos, ocasionado pela expansão das grandes corporações, por processos de privatização, fusão e aquisição de empresas.

Com este mercado saturado, os clientes estão se tornando cada vez mais exigentes.

Eles desejam que os advogados entreguem serviços melhores, em menos tempo e de forma mais ágil.

Afinal, o cliente está acostumado com a comodidade que empresas de tecnologia como a Uber e a Netflix entregam.

Por isso, é essencial que os advogados busquem a inovação para conseguirem se destacar em um mercado tão competitivo.

A mudança de comportamento da sociedade e dos consumidores fazem com que surja uma expectativa por empresas ágeis, eficientes, modernas e competitivas, inclusive no setor jurídico.

Por isso, é cada vez mais necessário profissionalizar a gestão e se adaptar às necessidades do mercado, implantando novas formas de administração e comunicação jurídica.

E para iniciar essa mudança, é preciso que o advogado entenda qual o seu novo papel nesse mundo 4.0.

Mudança do Mindset do advogado

O futuro é promissor ao profissional que entende que precisa possuir uma ótima performance técnica na redação de documentos jurídicos, elaboração de recursos e petições.

Mas que, além disso, busca também enxergar o seu escritório como uma empresa.

E, nesse cenário, buscará formas de executar serviços jurídicos com mais qualidade e menos custos, inovará no relacionamento com clientes atuais, criará formas de implementar marketing jurídico e aplicará métodos ágeis para melhorar a gestão do escritório.

Novas formas de exercer a advocacia

Direito Livre: Foto de passaros no ceuCom a revolução digital e o surgimento de Lawtechs e Legaltechs, é possível criar formas de prestação de serviços que não eram possíveis antes.

O advogado 4.0 precisa ter uma visão empresarial moderna, econômica e estratégica na sua forma de atuar, além de possuir um conhecimento cada vez mais multidisciplinar.

Como fazer isso na prática?

Hoje, por exemplo, é possível automatizar a execução de documentos jurídicos com empresas como a Linte, a Netlex ou a Lexio. Além disso, é possível buscar formas de resolver disputas online, com a Justto, a SemProcesso ou a Mol.

A Freelaw também está nesse contexto e permite que escritórios de advocacia criem equipes jurídicas online, conectando-se com os melhores advogados de forma ágil, simples e qualificada.

Será que a sua equipe jurídica precisa continuar sobrecarregada?

Hoje já existem formas para diminuir os papéis nas mesas dos advogados, diminuir as reclamações dos clientes e eliminar todas aquelas demandas pendentes do escritório.

Basta buscar a combinação de direito, inovação e tecnologia.

Todas esse movimento por um direito livre e inovador é uma tendência do mercado mundial, representado por empresas como o Airbnb, Spotify e Uber.

Um novo olhar sobre os novos problemas jurídicos

Com a evolução da economia do trabalho temporário e a criação de novas formas de trabalho, com as evoluções da biotecnologia e com o surgimento de novas tecnologias, os advogados precisam estar mais conectados com a tecnologia para que consigam propor melhores soluções para os novos problemas jurídicos que estão surgindo.

Como devem ser regulamentados os patinetes elétricos? Deve ser permitido o funcionamento de aplicativos voltados para empresas de transporte intermunicipais?

Como devem ser regulamentadas as novas relações de trabalho?

Deve haver mudança no Código de Ética da OAB? De que forma?

Todas essas (e muitas outras) discussões dependerão de conhecimento jurídico, mas também de conhecimento das novas tecnologias.

“Direito Livre”: por mais tecnologias e menos burocracia no mercado jurídico

O surgimento das novas ferramentas tecnológicas e o fomento à inovação proporcionaram a consolidação de um movimento, liderado pela AB2L – Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs.

Hoje, as empresas que participam dessa iniciativa querem criar um direito livre: livre de burocracias e com mais uso de tecnologia e inovação.

Dentre elas, podemos citar a Jurídico sem gravata, que tem o propósito de fomentar a troca de conhecimento e experiências entre advogados para disseminar a cultura de uma advocacia moderna, informal e estratégica.

Compreender isso será crucial para seu crescimento pessoal e expansão dos seus negócios.

Esse talvez seja o maior desafio para os advogados que fazem parte do tradicional e conservador meio jurídico.

Você já tinha ouvido falar no direito livre? Quer saber mais como fazer parte desse processo?

Leia nosso artigo sobre Direito, Inovação e Tecnologia para aprofundar mais no assunto.

Você também pode gostar

Deixe um comentário